CASTELOEMFOCO

Deputado acusa oposição de usar Assembleia como palanque político

De acordo com João de Deus, estão tentando confundir a cabeça da população em uma espécie de “vale tudo”

Por Wesslley Sales
20/03/2018, às 23:03

O líder do Governo na Assembleia Legislativa foi duro com as críticas trazidas por parlamentares de oposição. De acordo com o deputado João de Deus, estão tentando confundir a cabeça da população em uma espécie de “vale tudo”.

“Estão querendo agora transformar a Assembleia em um palanque político eleitoral. A baixaria faz parte da apelação e do desespero. Quem tem aspiração de poder e já foi apeado do poder pelo povo logicamente parte pra tudo. Grupos de oposição de forma desesperada acreditam que a eleição será ganha neste vale tudo. Mas, precisamos estar preparados para não cair nesse jogo de provocações”, afirmou.

Deputado Estadual João de Deus

A polêmica continua a mesma, a prestação de contas do Governo de parte do empréstimo que teria sido devolvido pela Caixa Econômica Federal. Outro ponto que tem elevado as críticas foi o relatório do Tribunal de Contas do Estado que aponta possível irregularidade com a destinação dos recursos para a Conta Única do Estado.

O parlamentar disse ainda que há uma tentativa de confundir a opinião pública. De acordo com ele, o recurso é de empréstimo e não convênio e por isso não haveria problemas estar na conta única do Estado. Preferindo não revelar nomes, João de Deus afirmou que um deputado, que foi ex-secretário estadual, passou pelo mesmo crivo do TCE e agora estaria criticando o Governo antes mesmo de ter um julgamento pelo pleno do Tribunal de Contas.

“Falei do ex-secretário porque ele fez prestação de contas. Foi realizada tomada de contas especial, os técnicos do TCE recomendaram a devolução de cerca de R$ 4 milhões e depois o secretário reclamou que não teve o direito do contraditório. Então ele foi notificado, contestou e modificou a sentença. Esse exemplo trago para mostrar que a decisão dos técnicos não é final. A parte acusada irá se manifestar e o pleno é quem vai julgar”, conclui João de Deus.

redes sociais

notícias mais lidas